quarta-feira, 4 de novembro de 2009

Com influências internacionais e mais peso, NX Zero lança ‘Sete chaves’

Com guitarras mais pesadas e influências de nomes internacionais como Red Hot Chili Peppers e Audioslave, o NX Zero chega ao terceiro álbum escoltado por Rick Bonadio, produtor cujas crias vão de Mamonas Assassinas a Titãs. Intitulado “Sete chaves”, o álbum é o primeiro do quinteto paulistano a ganhar uma capa conceitual.

“No começo da banda, é legal mostrar como a gente é. No terceiro disco, a gente já não tinha mais essa necessidade. Estávamos loucos para fazer uma coisa assim”, explica o guitarrista Gee Rocha, que forma o grupo ao lado de Di Ferrero (vocal), Fi Ricardo (guitarra), Caco Grandino (baixo) e Daniel Weksler (bateria). “A maior diferença em relação ao nosso trabalho anterior está nas composições e na sonoridade”, diz. “Acho que a gente avançou, amadureceu muito.”

“Além de faixas maiores, também há canções diferentes, como ‘Só rezo’, com letra do Di e música minha. A história surgiu quando ele foi no Complexo do Alemão com o Junior, do Afroreggae. Ele viu coisas que nunca tinha visto antes e fez a letra logo em seguida. A gente se respeitou muito e se ajudou para que isso acontecesse. Foi o disco mais gostoso de trabalhar”, conta Gee, destacando a importância de Bonadio no processo. “Passamos dois meses trabalhando no estúdio Midas e ele nos mostrou muita coisa, chamou nossa atenção para detalhes de músicas de outras bandas, como o Green Day.”

A faixa “Subliminar”, por exemplo, ganhou mais groove graças ao produtor. “Estávamos com dificuldades para fazer o arranjo, e o Rick sugeriu fazer um funk. Na hora, comentei que poderia não ficar muito bom. Ele falou: ‘Gee, escuta uma coisa: isso é o que eu mais sei fazer’. O resultado ficou irado”, comemora.

Os temas amorosos também ficaram em segundo plano. “O legal desse disco de modo geral é que o Di contou nas letras muito do que nós passamos. Pensamos em desistir e ao mesmo tempo ralamos para esperar a nossa vez. É uma mensagem para que as pessoas sigam os seus sonhos. Não há uma fórmula para conseguir as coisas de um dia para o outro. No começo, passamos por uma crise séria quando o primeiro vocalista saiu. Às vezes, o cansaço, o estresse e a insegurança nos fazem pensar em desistir.”

Agora seguro, Gee conta que o NX Zero não tem medo de perder a identidade nem se preocupa com rótulos. “A gente tem muitas influências, escuta todo tipo de banda. Não seria justo falar que somos emos porque não somos, mas também não acho justo só ficar falando que não somos, porque tem gente que se considera emo e gosta disso. Tem fãs nossos que gostam de ser rotulados como emos.”

“Quem quiser rotular a gente assim, pode rotular, já passamos dessa fase. A gente não é mais novidade. Quem deve estar sofrendo agora como sofremos no começo são os mais novos, como o Cine e o Restart. Hoje o NX Zero tem o som do NX Zero, como tem o som d’O Rappa, do Skank, do Jota Quest. Fazemos um som do Brasil. No final, é tudo rock.”

Para o guitarrista, a fidelidade dos fãs é importante para o sucesso de um grupo. “São eles que mandam. Uma banda só ganha prêmio se eles votarem. Pra fazer sucesso, tem de ter um disco bom, tocar na rádio, e ter fãs fiéis. Você só vai ser esquecido se não der atenção para a mídia. Só vai aparecer quem estiver ali trabalhando”, diz.

“Graças a deus, nossos fãs têm consciência de que a gente se preocupa com o disco, com a ordem em que as músicas devem ser ouvidas. Eles baixam nosso álbum e depois compram o CD, sabem que a gente ralou pra fazer. O problema são as pessoas que podem comprar mas não compram por causa da cultura do download.”

Fonte: G1

Um comentário:

josualda disse...

e isso ai
galera nxzero
por me ñ precisa se preocupa eu sou uma fã fiel.mesmo se vcs perderem a fama eu smpre estarei com vcs.